Galo: empréstimos e financiamentos subiram mais de 70% em 2020, segundo balanço

Esportes

Galo: empréstimos e financiamentos subiram mais de 70% em 2020, segundo balanço

08:44 | 01 de maio

No último ano de gestão do ex-presidente Sérgio Sette Câmara, o Atlético foi ousado no mercado. Com aporte de empresários ligados ao clube, investimentos de peso foram feitos. Esse é um dos motivos para a alta de 72% da dívida do clube do clube com “empréstimos e financiamentos” em 2020.

 

O dado consta no balanço anual, aprovado por unanimidade pelo conselho deliberativo na última segunda-feira (26). A dívida do clube na categoria saltou de R$ 311,6 milhões em 2019 para R$ 535,6 milhões em 2020.

“Os financiamentos bancários estão garantidos por avais de dirigentes e direitos creditórios do clube”, diz o documento. Segundo o Atlético, a quantia é representada “principalmente por empréstimos para capital de giro e utilização de contas garantidas com encargos apropriados até a data do balanço”.

No balanço, o clube apresenta os credores divididos em sete categorias, conforme os encargos mensais (juros). Também são apresentados os prazos de vencimento. Confira o detalhamento ao fim da matéria.

Chama atenção o “surgimento”, em 2020, da dívida de R$ 201,3 milhões com “pessoas físicas e jurídicas não financeiras”. Em 2019, o valor inexiste. No documento, o Atlético não cita o nome do credor.

 

Contudo, com base em declarações públicas, é possível concluir-se que a quantia é devida aos investidores que fizeram aporte financeiro recente. Isso porque a quantia não apresenta encargos mensais. Rubens Menin, um dos empresários por trás dos investimentos, revelou em outras oportunidades que não cobra juros do dinheiro que repassa ao clube.

Confira o detalhamento:

· Banco BMG: 2020: R$ 70,2 milhões — 2019: R$ 76,4 milhões (encargos mensais: 0.80% + CDI e pré-fixado de 1,24% — vencimentos: 03/02/20, 08/06/20, 01/12/23) 
· Banco Daycoval: 2020: R$ 83,5 milhões — 2019: R$ 25,8 milhões (encargos mensais: 0,80% — vencimentos: 27/10/22, 30/12/20, 31/03/21, 27/12/24, 30/12/20, 31/12/21, 31/12/23)
· Banco Mercantil do Brasil: 2020: R$ 2,3 milhões — 2019: 5,9 R$ milhões (encargos mensais: 1,02% a 1,07% + CDI — vencimentos: 04/01/21, 26/05/21)
· Banco Inter: 2020: R$ 29 milhões — 2019: R$ 14,8 milhões (encargos mensais: 0,80 % a 1,00% + CDI — vencimentos 25/10/21, 16/03/21, 14/01/22, 28/02/23)
· Polo Clubes Fundo Invest: R$ 26 milhões — 2019: R$ 29,6 milhões (encargos mensais: 0,80% — vencimentos 28/12/23)

 

Terceiros

· Pessoas físicas/jurídicas não financeiras: 2020: R$ 123 milhões — 2019: R$ 158,9 milhões (encargos mensais — vencimentos 20/12/20, 31/03/20, 31/08/23)
· Pessoas físicas/Jurídicas não financeiras: 2020: R$ 201,3 milhões — 2019: inexistente (encargos mensais: 0% — vencimentos 31/12/20, 31/08/23).



(Fonte:Itatiaia/Foto:Atlético/Divulgação)






 

Publicidade