Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República pede fechamento de bar em Padre Paraíso

Notícias da região

Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República pede fechamento de bar em Padre Paraíso

12:25 | 30 de abril

 

A Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República quer que autoridades de Padre Paraíso, no Vale do Jequitinhonha, fechem o bar Cabanas, localizado no bairro Bom Jesus.

O estabelecimento, que não possui alvará de funcionamento da prefeitura, é alvo de inúmeras denúncias, dando conta que o local é utilizado para o tráfico de drogas e prostituição infanto-juvenil.

Na noite de sábado (26) bandidos trocaram tiros em frente ao bar. Não houve feridos. Os envolvidos ainda não foram identificados. Há suspeitas que o crime esteja ligado ao tráfico de drogas.

De acordo com o Conselho Tutelar da cidade, a Secretaria de Direitos Humanos encaminhou à entidade documento relatando que crianças e adolescentes freqüentam o local em situação de exploração sexual e aliciamento para drogas.

As denúncias estão sendo feitas desde o final do ano passado mas até o momento nenhuma providência foi efetivada e o bar continua funcionando normalmente nos finais de semana.

Segundo os moradores do bairro Bom Jesus, o local é um verdadeiro “inferninho”.

 

Denúncias

Conselheiros Tutelares revelaram que foi enviado ofício ao Ministério Público em Araçuaí pedindo providências e que o promotor Leonardo Morroni Araújo de Mello solicitou investigações sobre o caso à delegada da cidade, Fabrícia Noronha. A delegada está em férias e não foi localizada pela reportagem.

Em fevereiro deste ano, a Polícia Militar deu batida no bar e quatro meninas, com idades entre 12 e 14 anos foram encontradas dentro do estabelecimento. Elas foram levadas para a casa dos pais e o proprietário do bar recebeu apenas advertências.

A Comissão Operativa Local, uma entidade não governamental que atua na cidade, pediu através de ofício, providências à prefeitura municipal, que por sua vez, repassou o caso à Polícia Militar. No documento, a entidade relata casos de prostituição infantil e tráfico de drogas no local.

Em setembro do ano passado, a Polícia Militar encaminhou ofício ao Comandante do Corpo de Bombeiros de Teófilo Otoni, solicitando um laudo de vistoria do bar. A vistoria não foi realizada.

O bar funciona também como boate nos finais de semana. A estrutura é precária. Para proteger o lugar, foi colocada uma cerca de tábuas, coberta por lonas plásticas pretas em toda sua extensão.

O estabelecimento, localizado na rua Teodoro Resende, conhecida como rua da Serraria, fica em frente ao ginásio poliesportivo da cidade e a cerca de 100 metros da Unidade Escolar de Educação Infantil, obra do governo federal que está em fase final de construção.

Dentro do bar, uma mesa de sinuca e uma máquina de música ocupam o pequeno espaço.

Segundo a Polícia Militar, nos finais de semana o bar chega a receber em torno de 100 a 150 pessoas. “ Não existem extintores de incêndio nem saída de emergência”, relatam os militares.

O secretário de Finanças do município, Maurício Neves Gusmão, informou que o proprietário do bar solicitou à prefeitura o alvará de funcionamento. “Diante destas denúncias, não vamos conceder o documento”, afirma o secretário.

O procurador jurídico do município, Fabrício Neiva, garantiu que a administração vai pedir ajuda do Ministério Público e das Polícias Civil e Militar para interditar o local.

O proprietário do estabelecimento, Braulínio Coelho da Silva, não foi localizado pela reportagem para comentar as denúncias.

Na tarde de terça-feira (29) apenas um cavalo descansava tranquilo no interior do bar que estava fechado.

 

Fonte e foto: Gazeta de Araçuaí

 

Publicidade