50 mil ou 100 mil foliões: não tem estimativa para tanta alegria

Outras notícias

50 mil ou 100 mil foliões: não tem estimativa para tanta alegria

18:37 | 10 de fevereiro

 

O número é uma estimativa da Polícia Militar, mas só quem esteve na Avenida do Contorno na manhã deste sábado, 10, para dimensionar o que significa 50 mil pessoas em uma mesma vibração. O desfile que começou cedo a colorir a região Central de BH alcançou seu ápice por volta das 9h no encontro da avenida com a Rua da Bahia. Os organizadores falam em 100 mil.  

Independentemente das estimativas de público, o corpo arrepiou quando a uma só voz os foliões entoaram ‘Cobertor’ da banda de axé Araketu. E foi da mesma forma com outras várias músicas durante as quase 5 horas de desfile. A vibração e sintonia entre público, banda e bateria foi o item mais elogiado pelos foliões. “A energia do Brilha é incrível! Mesmo com a dimensão que o bloco ganhou essa conexão não se perdeu”, conta Cinara Soares, 30 anos, que acompanha o grupo há pelo menos 5. 

Rebeca Vasconcelos, 32 anos, convive com a magia do cortejo em casa. O marido é um dos integrantes da banda e ela reforça essa ‘vibe’ especial. “Tem um toque especial sim! Só quem vem ver de perto, sente”, confirma. 

Mesmo com as ruas abarrotadas de gente, não se viu confusão. De acordo com a Polícia Militar o deslocamento seguiu tranquilo até à Praça da Estação, onde os foliões se dispersaram. Apenas duas ocorrências foram registradas, quando o trio já estava no ponto final, em uma área mais afastada do bloco. ‘De forma geral, o clima de carnaval permaneceu’, avaliou Heider Giovanneti, 24 anos. 

Nos detalhes do cortejo, o cuidado dos participantes do bloco. Figurino, coreografias, entrosamento da bateria… Tudo dava ao folião um motivo a mais para observar! Incluindo os looks. O item indispensável era o brilho - até para combinar perfeitamente com o lema do bloco: Gente é pra brilhar -, mas não faltou criatividade na hora de escolher um figurino de carnaval. Anjos, unicórnios, sereias, índios… Vale tudo para se destacar no meio do povo. E se não deu tempo de preparar nada, a solução é o glitter. “Só brilho! É só disso que precisamos para arrasar”, comenta Jussara Viana, 18 anos, aproveitando a folia. 

Ana Júlia Goulart / N/A

Então Brilha!

Brilhou no Centro de BH

Avaliação

Pontos positivos

Vibração do público
O público demonstrou estar aberto ao espírito de Carnaval e curtiu da melhor forma o desfile de um dos principais blocos da cidade 

Bateria
Os componentes de um dos principais elementos de um bloco de Carnaval deram show na animação, no figurino e também no desempenho. Sem perder o molejo, os participantes da ala musical se envolveram muito com o desfile mas aproveitaram muito também como foliões. 

Organização 
Comparando, principalmente, com o desfile do ano passado, o ‘Então, Brilha!’ se mostrou mais estruturado no desfile deste ano. E isso vale para as decisões tomadas entre o grupo e órgãos que auxiliam na realização do evento 

Tom crítico
Teve ‘manifestação política, menção às causas LGBT, à violência feminina, à prostituição… O desfile foi um palco para celebrar e discutir questões importantes para o país! 

Pontos negativos

Banheiros
Durante todo o trajeto, poucos eram os pontos onde estavam instalados os banheiros químicos, mas mesmo a escassez dos itens não foi justificativa para que os ‘mijões’ ocupassem todas as ruas no entorno do desfile. Até as mulheres entraram na onda e fizeram xixi onde deu! 

Trânsito
Como o bloco passa por avenidas e ruas muito importantes para o deslocamento na cidade, toda a área Central ficou bloqueada durante o desfile. Mesmo com o apoio da BHTrans, os motoristas pareciam confusos com os desvios e com as opções de fuga do bloco. Vários foram os flagras de irregularidades. 

Sujeira
O bloco mal acabava de passar e o que se via nas ruas era só lixo. Nem os vários catadores que atuam no evento conseguiram dar conta de tantos copos, garrafas e latas. Pelo menos, antes mesmo de finalizar o cortejo, os varredores da prefeitura já estavam a postos para organizar o local.

 

Fonte: Hoke em Dia

 

Publicidade